https://www.manufaturaemfoco.com.br/wp-content/uploads/2014/05/img-feira-mecanica.jpg

Bastidores da Feira da Mecânica



Cerca de duas mil pessoas trabalham para montar a estrutura de um pavilhão que se transforma, em poucos dias, em uma cidade industrial de 85 mil metros quadrados.

A cada dois anos, fabricantes, associações e vendedores de máquinas e equipamentos se preparam para apresentar seus produtos na maior feira do setor metalmecânico do País e a maior feira de negócios da indústria na América Latina. Quando os visitantes chegarem ao Pavilhão de Exposições do Anhembi, entre os dias 20 e 24 de maio, verão 85.000m² prontos para receber, aproximadamente, 100 mil visitantes e mais de 1 mil expositores.

Entretanto, para outras centenas de pessoas, a feira começa uma semana antes da inauguração, durante a montagem de toda a estrutura. Montagem, limpeza, segurança, repecionistas, credenciamento entre outros serviços essenciais para que o evento aconteça. Além daqueles que trabalham junto com os expositores, como a equipe de marketing, preocupada em expor, da melhor forma, seus produtos e suas marcas.

“85 mil metros de feira. É um mundo que acontece aqui em cinco dias de montagem”, diretora da Reed Exhibitions Alcantara Machado, Liliane Bortoluci.

Coordenando a construção da pequena cidade setorial está a equipe da Reed Exhibitions Alcantara Machado, empresa referência em feiras de negócios. Com ela, mais de dez empresas terceirizadas auxiliam na montagem da estrutura. Credenciamento, segurança, hidráulica, tapeçaria, alimentação, limpeza, carregamento, tradução, paisagismo, comunicação visual, manutenção, além de outros serviços que acabam sendo necessários no decorrer do evento.

De acordo com a diretora da Reed Alcantara Machado, Liliane Bortoluci, pelo menos duas mil pessoas trabalham dentro da feira antes, durante e na desmontagem do evento. “85 mil metros de feira. É um mundo que acontece aqui em cinco dias de montagem”, conta.

Embora as empresas tenham liberdade de escolher os fornecedores para montar os próprios estandes, a estrutura base é responsabilidade da organização. “Todo planejamento é interno, mas a execução é terceirizada”, diz Liliane. A diretora explica que o planejamento é essencial para conseguir montar e desmontar a estrutura em menos tempo possível e com qualidade. Afinal, somente o aluguel do Pavilhão do Anhembi custa – por toda a ocupação para o evento, montagem, feira e desmontagem –, aproximadamente, R$ 3 milhões.

Montagem

Para mais de duas mil marcas exporem no pavilhão, uma empresa é contratada para montar a estrutura de base do evento. As divisórias, as salas de negócios, os estandes das associações e empresas parceiras, credenciamento, sala de imprensa, banheiro e até mesmo as salas da própria equipe da Reed ficam a cargo da empresa Cia Set.

Acesse e leia a matéria completa:


Não há comentários

Adicione o seu