https://www.manufaturaemfoco.com.br/wp-content/uploads/2015/03/capa_08.jpg

Alternativas de competitividade em suprimentos para tempos difíceis



O cenário de desaceleração da economia, sobretudo quanto ao desempenho das indústrias de manufatura, pressiona os gestores, de modo geral, para que revisem as suas estratégias de suprimentos.

Área vital para qualquer empresa, os setores de suprimentos devem garantir a manutenção do fluxo produtivo da fábrica, evitando que a falta de insumos ou de qualquer componente ou acessório comprometa a qualidade ou os prazos de entrega da companhia.

Com o propósito de fomentar essa reflexão, seguem algumas ideias que podem contribuir para a otimização do desempenho dessa importante atividade administrativa.

Estratégia criativa
Fazer diferente, sair do lugar comum, renovar os procedimentos, experimentar novas dinâmicas, ousar no estabelecimento de novos relacionamentos e, se preciso for, renovar a equipe favorecendo o desenvolvimento de um ambiente mais criativo e inovador, com profissionais menos conservadores, assim como menos apegados aos velhos pragmatismos da área.

Equipe eficaz
Facilitar a criação e o estabelecimento de um time de profissionais comprometidos com resultados, que tenham know-how e visão sistêmica, além de paixão pelo que fazem. Que sejam profissionais dispostos a desafiar constantemente suas próprias zonas de conforto e tenham a convicção de que não é o tempo de casa que garante empregabilidade ou a estabilidade da companhia, mas, antes disso, a velocidade com que se gera bons resultados.

Inteligência
Todas as pessoas do departamento devem estar atualizadas com as melhores práticas de suprimentos tanto com as que estão em uso, como as que estão em desenvolvimento, em termos globais. Além disso, devem ter bem claro para si quais são as metas gerais da empresa, assim como as respectivas à sua própria responsabilidade, em curto, médio e longo prazo. Devem estar familiarizados com as estratégias a serem empregadas e terem conhecimento claro sobre quais os indicadores e métricas a serem seguidos, pois não se pode gerenciar o que não se pode medir.

As pessoas em primeiro lugar
Pessoas fazem com que as coisas na empresa aconteçam. Se esta parte do processo não estiver bem, em todos os sentidos, não teremos bons negócios, mas apenas negócios. Apesar das transações comerciais ocorrerem entrem empresas, são as pessoas que as viabilizam. Não basta alguém estar alocado no departamento, é preciso que vista a camisa e que aja para fazer a diferença, pois em todos os demais concorrentes há gente se ocupando das mesmas atribuições e com metas semelhantes. Assim, é a competência e o comprometimento de cada um que definirão qual empresa será mais lucrativa ou mais competitiva. A falta de ânimo e a desmotivação das pessoas podem levar toda uma estratégia brilhante ao nocaute.

Acesse e leia a matéria completa:


Não há comentários

Adicione o seu