Logo-grupo-cimm
http://www.manufaturaemfoco.com.br/wp-content/uploads/2017/01/capa-04.jpg

FCA inaugura instalações para produção de motores



A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) inaugurou, em setembro, nova planta de motores. A unidade, localizada em Betim (MG), recebeu investimentos da ordem de R$ 1 bilhão para produzir a nova família global de motores Firefl y 1.0 e 1.3 litro, de 3 e 4 cilindros. A implantação da nova unidade ocorreu de forma simultânea ao desenvolvimento do novo motor global.

Com 22 mil metros quadrados de área construída e capacidade para fabricar 400 mil propulsores por ano, a unidade foi completamente remodelada e ampliada para receber 186 robôs de alto desempenho e precisão. Esse processo contou com o envolvimento de cerca de 200 empresas, 80% delas brasileiras.

Na planta, que emprega um total de 2 mil pessoas, também são fabricadas as famílias Fire e Fire EVO, de 1.0 e 1.4 litro.

Em um único local, estão reunidas todas as etapas produtivas do motor, desde a usinagem do bloco, eixo virabrequim e cabeçote, até as linhas de montagem. Com alta tecnologia embarcada, todo o processo é conectado a uma central de gerenciamento, no melhor exemplo de interação entre homem e máquina.

Entre os aspectos inovadores, um dos destaques é o uso da tecnologia “data bolt” durante a usinagem do bloco do motor e do cabeçote. É uma espécie de parafuso que armazena o histórico completo dos componentes, como data e horário que passou por determinada máquina, qual ferramenta foi utilizada, testes de qualidade, entre várias outras informações. “Elevamos a rastreabilidade ao nível mais avançado da tecnologia disponível atualmente”, diz o responsável de Engenharia de Manufatura Motores e Transmissões da FCA para a América Latina, Rogério Souza.

Os novos propulsores fazem sua estreia mundial no Uno 2017, modelo comercializado no mercado brasileiro e exportado para a América Latina.

MTE ALTERA NR-12 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS
Os ministros do Trabalho, Ronaldo Nogueira, e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, anunciaram, em setembro, alterações na Norma Regulamentadora Número 12 (NR-12) para micro e pequenas empresas do setor alimentício. As mudanças valem para os setores de panifi cação, confeitaria, açougue, mercearia, bares e restaurantes. Com isso, empresários ganham tempo para adequar máquinas e equipamentos às exigências da norma, que trata de segurança no trabalho. Durante a 86ª Reunião da Comissão Nacional Tripartite Temática (CNTT), que reúne representantes dos trabalhadores, empregadores e governo, o ministro do Trabalho também assinou outras três portarias. Com a medida, também estão sendo revisados artigos e anexos das NRs 34, 35 e 9.

CONFIANÇA NA INDÚSTRIA CAI EM OUTUBRO
Depois de cinco meses consecutivos de crescimento, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 1,4 ponto em outubro frente a setembro. Com a queda, o índice alcançou 52,3 pontos e ficou mais distante da média histórica, de 54,2 pontos. Mesmo assim, continua acima da linha divisória dos 50 pontos que separa o otimismo do pessimismo, informa a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo a pesquisa, a redução da confiança é resultado da reavaliação das perspectivas em relação ao desempenho da economia e das empresas nos próximos seis meses. O indicador de expectativas caiu 1,9 ponto frente a setembro e fi cou em 56,8 pontos.

INDÚSTRIA PRECISA QUALIFICAR 13 MILHÕES DE TRABALHADORES ATÉ 2020
Construção, Meio Ambiente e Produção, Metalmecânica e Alimentos são os setores da indústria que mais precisarão de mão de obra qualificada entre 2017 e 2020. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial 2017-2020, estudo elaborado pelo Senai. O Brasil demandará 13 milhões de trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico e de qualificação.

FAPESP E FINEP SELECIONAM 46 PROJETOS DE PESQUISA
A Fapesp e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) anunciaram, em setembro, os projetos de pesquisa selecionados nas chamadas “Fortalecimento e Qualifi cação em Manufatura Avançada das Cadeias Produtivas da Indústria Aeroespacial e de Defesa do Estado de São Paulo” e “Programa PIPE/PAPPE Subvenção Fase III – 4ª Rodada”. Projetos selecionados: http://www.fapesp.br/10472

BNDES REVÊ ÍNDICE DE CONTEÚDO NACIONAL PARA FORNECEDORES DA INDÚSTRIA
O BNDES aprovou medida temporária que reduz de 60% para 50% o índice mínimo de nacionalização em valor exigido para o credenciamento de máquinas e equipamentos, sistemas industriais e componentes nas operações de crédito do Banco, denominado Credenciamento de Fornecedores Informatizado (CFI). A alteração é válida para todos os setores da indústria brasileira até 30 de junho de 2017.

CÂMBIO É O MAIOR DESAFIO PARA EXPORTAÇÃO
Para 72% das empresas brasileiras, câmbio é o maior limitante das exportações, segundo mostra a pesquisa “Expectativas e Obstáculos Para Exportações e Substituição de Importações da Indústria em 2016”, elaborada pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec), em parceria com o Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp (Derex). Entre outros fatores, o financiamento, por exemplo, aparece por três vezes devido ao alto custo, difícil acesso e restrita oferta. A pesquisa foi divulgada em setembro último.


Não há comentários

Adicione o seu